Horário na Nova Zelândia: 0000-00-00 00:00
BR
Compartilhar

Planejando sua viagem para a Nova Zelândia? Confira como anda o progresso das negociações sobre a reabertura das fronteiras do país.

 

 

Muito se questiona sobre o futuro da conectividade global da Nova Zelândia diante do cenário que vivenciamos.

O ex-conselheiro científico Sir Peter Gluckman, a ex-primeira-ministra Helen Clark e o ex-executivo-chefe da Air New Zealand, Rob Fyfe, afirmam que um atraso prolongado na abertura das fronteiras “causará enormes danos à economia e ao bem-estar social do país”.

“Não é realista imaginar que nunca haverá casos de Covid na Nova Zelândia. É apenas logicamente inevitável.” afirmou Gluckman.

O site Scoop Media reuniu as impressões de experts neozelandeses para comentar sobre o impacto da questão das fronteiras na transmissão da Covid, no setor da educação e no turismo do país.

 

Transmissão da Covid-19 e reabertura das fronteiras

O professor Michael Plank da Te Pūnaha Matatini e Universidade de Canterbury, comenta:

“Se queremos abrir nossas fronteiras para mais pessoas, temos que aceitar que o risco aumentará. Com os números atuais de viagens, esperamos que cerca de 12 casos por semana cheguem às nossas fronteiras e estamos confiantes de que podemos capturá-los com isolamento gerenciado por 14 dias. Se voltássemos às taxas de viagem pré-Covid, teríamos mais de 600 casos por semana e seria impossível colocar todas as chegadas em isolamento gerenciado. Um retorno aos negócios como de costume, não é uma opção.

Mesmo um aumento moderado nas viagens internacionais pode significar renunciar a algumas das liberdades que trabalhamos duro para conseguir. Podemos precisar voltar ao nível 2 permanentemente ou precisar de bloqueios regionais se ocorrer um surto como o de Melbourne.

Na avaliação das compensações, é importante pensar em quem se beneficia com a flexibilização das medidas de fronteira e quem paga os custos econômicos e de saúde relacionados ao aumento do risco de transmissão da comunidade.

(…)

Com o passar do tempo, a perspectiva de uma bolha de viagens com países que eliminaram a transmissão comunitária está se aproximando. Isso seria um risco muito menor do que abrir para países que ainda têm transmissão comunitária. À medida que mais países se juntam à bolha, o incentivo para que outros eliminem o vírus se fortalece. Qualquer bolha de viagem precisaria de critérios claros sobre quem pode viajar e o que aconteceria se um caso fosse detectado. Isso poderia ser feito pelos serviços de teste rápido que alguns países estão oferecendo agora nos aeroportos. Deveríamos desenvolver sistemas como esses, que proporcionam confiança para viagens seguras.

Qualquer que seja o caminho a seguir, precisamos seguir com muito cuidado. Se decidirmos afrouxar nossas restrições de fronteira, devemos fazê-lo gradualmente e começar com viajantes de menor risco. Eventos em todo o mundo mostram que a pandemia está longe de terminar e que, uma vez que as autoridades perdem o controle do COVID-19, é muito difícil recuperá-lo. A maioria dos países do mundo trocaria com satisfação sua situação com a da Nova Zelândia. “

 

 

Turismo

O professor C. Michael Hall do Departamento de Gestão, Marketing e Empreendedorismo da Universidade de Canterbury, diz:

“A Nova Zelândia, como o resto do mundo, está agora tentando descobrir qual a melhor forma de se reencontrar com a economia global de uma maneira que não leve a uma chamada “segunda onda”.

Infelizmente, essas decisões estão sendo tomadas no pior momento possível em termos de tomada de decisão racional, uma vez que estamos em ano de eleição e, portanto, enfrentamos uma infinidade de opiniões, muitas das quais parecem ter pouco a ver com evidências e tem mais a ver com objetivos pessoais do que com os objetivos coletivos de que o país precisa.

Agora precisamos ir além da mentalidade de uma “fortaleza”. A realidade é que a COVID-19 não será erradicada em escala global e se tornará uma doença sempre presente. Portanto, ela precisa ser tratado como tal.

Isso significa que, em vez de sugerir que o vírus pode ser eliminado, precisamos começar a tratar a COVID-19 como outras doenças notificáveis ​​que os viajantes trazem do exterior, como malária ou febre amarela ou outros coronavírus, como MERS e SARS.

Isso significa alterar algumas das medidas de biossegurança em vigor em termos de chegadas e partidas. Da mesma forma que os viajantes obtêm informações sobre a Nova Zelândia buscando ser livre de pragas, eles também precisam de informações sobre a Nova Zelândia como sendo livre da COVID-19

A tecnologia é uma parte importante da resposta, mas precisa ser acompanhada por uma comunicação muito melhor sobre riscos, comportamentos apropriados e respostas, que é sem dúvida um dos pontos mais fracos do sistema de biossegurança. Isso não significa apenas mais um aplicativo. Aplicativos e códigos de conduta podem ser úteis, mas a maneira mais significativa de mudar comportamentos é pelo contato pessoal e pela influência de seus colegas.

Os turistas querem viajar e a melhor forma de assistência que a Nova Zelândia poderia dar a Fiji e outras nações do Pacífico é ajudá-los a reiniciar seus setores de turismo. Da mesma forma, a reabertura dos vínculos turísticos com países que têm um certo controle sobre a COVID-19, como Austrália, Cingapura e Taiwan, parece ser extremamente importante.

O que será necessário é o desenvolvimento de acordos comuns sobre biossegurança e protocolos COVID-19.”

 

O professor James Higham, da Universidade de Otago, analisa:

“O fechamento sem precedentes das fronteiras e a quarentena paralisaram o setor de turismo da Nova Zelândia, avaliada em $ 40,9 bilhões por ano. No processo, foram expostas a vulnerabilidade do setor a choques externos e a natureza tênue do emprego no setor.

Simplesmente desejar um retorno ao normal, no entanto, não é suficiente. A reconstrução do turismo deve negociar um delicado equilíbrio entre recuperação imediata e sustentabilidade a longo prazo. É necessário um novo equilíbrio que gere emprego e renda enquanto reduz as emissões de carbono.

 A análise do carbono do turismo provavelmente apontará para a importância dos visitantes de longa permanência, como estudantes internacionais, que já fornecem 23% do total de gastos turísticos internacionais na Nova Zelândia.”

(Comentários extraídos do The Conversation)

 

 

Educação

A professora Sara Walton da Escola de Negócios da Universidade de Otago, explica:

“A educação contribui com aproximadamente $4,5 bilhões anualmente para a nossa economia e é o nosso quinto maior exportador. É uma indústria altamente qualificada, operando em um mercado global, com as universidades da Nova Zelândia em alta posição no ranking mundial de universidades. A reputação da Nova Zelândia como “segura” devido à nossa resposta ao COVID-19 é algo que ajudará a promover a Nova Zelândia a estudantes estrangeiros.

(…)

Para o início de fevereiro de 2021, precisamos planejar isso agora. A quarentena dos alunos por 14 dias é realista, dada a quantidade de tempo que eles estarão no país para estudar. No entanto, existem muitas perguntas. Quem paga pela quarentena? Quem monitora os procedimentos? Quem fornece os exames e tratamentos médicos? Onde os colocamos em quarentena?”.

 

Segundo o professor Ilan Noy da Universidade Victoria de Wellington:

 “Deveríamos priorizar: (1) Abertura aos países das ilhas do Pacífico, pois suas economias estão lutando, mesmo estando livres do vírus; (2) abertura para estudantes estrangeiros e turistas com estadias de longo prazo que trarão um valor agregado significativo à nossa economia (com quarentena paga por eles ou por seus provedores de educação); e (3) setores empresariais específicos para os quais as conexões internacionais pessoais são essenciais.”

O professor Michael Hall do Departamento de Gestão, Marketing e Empreendedorismo da Universidade de Canterbury, ressalta:

“A economia da Nova Zelândia depende do comércio internacional. Dado que a COVID-19 nunca será eliminada globalmente, é hora de começarmos a tratá-la em termos de doenças notificáveis ​​que vêm com viagens internacionais e começarmos a administrá-la de acordo. Isso não significa abrir mão de preocupações com segurança e proteção, mas significa propor medidas realistas, em vez de sugerir implicitamente que a Nova Zelândia pode ser para sempre uma fortaleza.”

 

Especula-se uma abertura gradual no primeiro semestre de 2021 contudo ainda não há previsão da abertura das fronteiras da Nova Zelândia para estudantes internacionais.

Talvez você esteja interessado em

15 January 2019

Morar e estudar em Invercargill

Invercargill Invercargill é uma cidade pequena e acolhedora, que fica no extremo Sul da Ilha Sul da Nova Zelândia. A...

3 January 2019

Custo de Vida

CUSTO DE VIDA NA NOVA ZELÂNDIA Se você está planejando fazer um intercâmbio ou imigrar, saber qual é a média...

3 January 2019

Por que Nova Zelândia?

Vida na Nova Zelândia Entenda porque a Nova Zelândia é o melhor lugar para você realizar o seu intercâmbio, trabalhar...